imgp3315.jpgHoje eu não vou falar de Giovanna.

Eu estou estranha. Estou APAIXONADA. Não deveria ser estranho, eu sou casada ( quase 5 adoráveis anos ) e amo muito meu marido. Mas agora estou falando de paixão. Algo estranho aconteceu.

Estou falando de rosto quente, de suspiro, de ansiedade. De medo de não ser correspondida (num falei que estou estranha ??), de falar pelos cotovelos e calar.

Ontem foi um dia muuuuuuuuuuuito estressante. Trabalho na faculdade, de TEORIA DA COMUNICAÇÃO II. Um saco. Um dia inteiro colada  numa cadeira em frente ao computador, aquele lanche horrível, akele ar condicionado fortérrimo, e aquelas colegas seqüeladas. As colegas, salvam viu? Ô povinho maluco que me faz rir…

Sim… um dia estressante. E no meio da confusão toda, eu lá, escutando Marisa Monte e viajando. Sonhando, suspirando, rindo.. parecendo uma louca. Ou uma apaixonada. Ou uma louca-apaixonada, o que é mais coerente nesse caso.

A música é assim:

“Dizem que o amor faz a gente sofrer
Sem meu grande amor não poderei viver
Se eu disser que sim e ele disser que não
É uma parte perdida que teve na vida o meu coração
Se o amor traz sofrimento
vou sofrer até o fim
Minha vida será um tormento
se ele não disser que sim
O amor que me dedico é uma obsessão
Imploro, por favor não diga ‘não’.”

Parece que essa música foi feita por mim, e recentemente.

Isso me parece bom, muito bom. Mas ao mesmo tempo é estranho. Eu nunca tinha me apaixonado de forma tão forte pela mesma pessoa uma segunda vez assim. ( Ainda bem que já sou casada com ele. ) Poxa, isso é indescritível. Mas uma coisa boa que foge do seu controle… é no mínimo estranho.

Oxi de novo. Eu num tô falando coisa-com-coisa. Estou atordoada. Ai que vergonha, devo estar com aquela cara patética. Hoje de manhã minha colega perguntou se eu estava usando blush, que meu rosto estava rosado. E era só um pensamento…

Ah, já chega. Estou expondo essa baboseira patética toda que só interessa a uma pessoa: a mim mesma. Aliás, a duas :

TE AMO, MEU AMOR !!!!

Por hoje é só. E já é o bastante!

Anúncios

As palhaçadas nossas de cada dia…

Hoje não vou copiar uma carta velha não.

Vou escrever uma nova.

São 22 meses e 17 dias de felicidade. Energia de sobra. Uma inteligência impressionante. Às vezes penso que sou “ultra-corujíssima-demais”, mas percebo que não sou a única a ficar espantada com as artes dela. São muitas.  

Dia desses, conseguiu abrir uma vasilhinha de VICKY VAPORUB que estava extremamente bem fechada, e veio me perguntar: PARA QUÊ SERVE ISSO AQUI??

Onde já se viu isso? Que menininha é essa, com um vocabulário organizado assim antes dos 2 anos?

Vixe! Tá muito mal-criada. Faz birra com todos e por tudo. E sabe provocar. Especialmente comigo, vai logo me chamando de MICHELLE, MICHA (…) pra eu ter q reclamar e ela falar: VOCÊ É MAMÃE MERMO!

E de onde vem essa sabedoria toda, essa esperteza antes da hora? De chamar o pai de MEU PAIZINHO, e responder com SINHÔ?!  em vez do OI?? convencional…

Pois ela está assim, desse jeitinho. Desse jeitinho que eu nunca conseguiria descrever aqui, são tantas artes, tantas novidades por hora…

Escutei uma música hoje de manhã cedinho, que poderia ter sido feita por mim, pra ela. É assim:

"Um anjo do céu. Que trouxe pra mim É a mais bonita, a jóia perfeita  Que é pra eu cuidar Que é pra eu amar Gota cristalina Tem toda inocência.  Vem ó meu bem Não chore não vou cantar pra você Vem ó meu bem Não chore não vou cantar pra você  E um anjo do céu Que me escolheu Serei o seu corpo Guardião da pureza  Que é pra eu cuidar Que é pra eu amar Gota cristalina Tem toda inoscência  Vem ó meu bem Não chore não vou cantar pra você Vem ó meu bem Não chore não vou cantar pra você  Vem ó meu bem Não chore não vou cantar pra você Vem ó meu bem Não chore não..." 
(Rastapé)
 
Te amo, minha vida. Te amo pra sempre, te amo demais, te amo infinitamente.

“Salvador, 05 de Abril de 2005.

Não pensei que a próxima vez que fosse te escrever estaria tão angustiada. Minha felicidade continua, é claro, cada dia mais por você estar aqui, por estar crescendo, por estarmos juntos enfim. Hoje estou angustiada, aliás, diria ansiosa.

Estamos há nove semanas juntos (as). Segundo o ultrassom, nove semanas hoje. Minha alegria é visível, imensa. Fico ainda mais feliz quando seu pai fala com você, beija minha barriga como se esses beijos fossem exatamente em seu rosto, em você inteiro (a). Sabia que ele queria um bebê, mas não imaginava, nem de longe, tanta felicidade, tão escancarada assim. Isso me torna, definitivamente, a mulher mais feliz do mundo.

Minha preocupaçãoagora é com a sua saúde. Está chegando a hora do ultrassom que medirá sua translucência nucal, e dessa medida podemos saber se você pode ou não ter alguma alteração cromossômica. Antes de engravidar, as pessoas comentavam que primos em primeiro grau não podem ter filhos, pois podem ser crianças deficientes. Eu já li em vários lugares que as chances de nós termos um filho com alguma alteração cromossômica são de 9%, enquanto que um casal de não-primos são de 6%. Li que os nascimentos de uma criança com, por exemplo, síndrome de down, são de 1 para cada 1.325 em uma mulher com a minha idade.

Por qual razão, então, eu estou tão ansiosa? Se por acaso você tiver síndrome de down, ou te faltar uma perna ou um braço, se você for surdo (a) ou cego (a), isso afetará meu amor por você?  Nunca, jamais, em absoluto!! O amor que eu já sinto por você é inalterável. Você é o maior sonho da minha vida, logo, será o maior amor também. O fato de eu ter pouco, médio ou muito trabalho com você não interferirá no nosso sublime amor. Só quero que entenda que toda mãe quer o melhor para o seu filho (e eu já sei o que é ser mãe!), e o melhor é que você seja completamente saudável. A angústia que eu estou sentindo é perfeitamente compreensível quando se está prestes a ser mãe ou pai.

Seu pai tem uma segurança que me surpreende e me agrada profundamente. Me acalma muito também. Já antes de estarmos grávidos ele falava com muita serenidade, e dizia que as crianças dão o trabalho que tem que dar. E que o amaremos com todas as nossas forças, independente de como você venha. E diz mais: que você vai ser mais traquino e esperto que Bia e Gustavo! Que Deus nos ajude.

Pronto, agora que já te contei meus sentimentos, estou muito mais calma, tranqüila.

Ah, por aí nossas vidas viraram uma central de apostas: todos vivem tentando advinhar se você é menino ou menina. A maioria das pessoas acha que é menina, e existem ainda pessoas que tem certeza. Como podem ter certeza? Mas dizem ter. A maiora das pessoas já te chama de Giovanna (sua madrinha, Flavinha, Aline, Tia Losse, Cláudia, Ana…) e os colegas de faculdade de seu pai perguntam a  ele pela “menininha”. Vai ser muito engraçado se você form menino, quero ver como vai ficar esse povo cheio de certeza.

Não estou preocupada se você é Murilo ou Giovanna. Estou querendo apenas que venha com muita saúde. Que ambos fiquemos sempre bem durante o tempo que tenho que te abrigar em minha barriga, e que toda a nossa vida seja de uma felicidade jamais vista em todo o mundo. Eu, você e seu pai seremos muitíssimo felizes, meu amor. Pois é isso que vou pedir a Papai do Céu todos os dias: saúde e felicidade. Para todo o sempre, amém.

Amor, mamãe.”

 

Hoje, 17 de Setembro de 2007, eu não tenho mais dúvidas da sua saúde. Tenho muito orgulho em dizer que você NUNCA precisou tomar um remédio além de um xarope pra tosse. Em julho, tomou uma queda e machucou a boca, e a dentista ia receitar um antibiótico, e perguntou qual vc já tinha tomado. Qdo eu disse q nunca tinha tomado nenhum, ela desistiu de passar. Não era necessário, já que sua saúde é tão perfeita assim.

Parece que tem uma carnezinha no seu nariz, uma adenóide ou alguma coisinha assim, que a gente já vai levar pra cuidar. Mas, exceto isso… é mais perfeita do que eu pedi a Deus. E sou muito muito agradecida por isso.

Amo muito tudo isso!!

Faz tempo que estava pensando em fazer um blog, dedicando-o a minha filha.

Ela ainda não sabe ler, mas eu espero conseguir mantê-lo, atualizando-o sempre, até que ela possa ler sozinha tudo que eu postar aqui. Vai ser apenas uma tentativa de mostrar a ela que amor é esse que carrego em mim. Em vão, eu sei, pois nem que eu passasse a vida inteira sentada, teclando sem parar, conseguiria demonstrar sequer a metade desse amor.

Hoje ela tem exatamente 1 ano, 10 meses e 1 dia. Mas me traz felicidade sem fim há muito mais tempo que isso. Por isso, vou começar postando as cartas que eu fazia quando estava grávida.

Aí vai a primeira.

“14 de Março de 2005.

Tive certeza  que você está aqui anteontem de manhã. Os momentos que antecederam o resultado do teste foram os mais angustiantes da minha vida. Eu queria MUITO MUITO MUITO você, mas não me sentia no direito de pedir isso a Deus: ‘Quero estar grávida!’  Não podia fazer isso, só podia me entregar nas mãos dEle. Tinha que pedir que o resultado fosse o melhor pra nós três, eu, você e seu pai. Queria estar grávida, mas é Deus quem sabe o melhor, e nos entreguei nas mãos dEle. E o resultado do teste foi a melhor coisa que aconteceu na minha vida. Nunca houve nada melhor que isso, e só haverá porque você ainda vai nascer. A sensação que me invadiu quando vi aquele resultado foi a melhor possível.

Você sempre foi o maior sonho da minha vida. Desde que sei o que é sonhar, meu maior sonho é ser mãe. Não sei se vou ser uma boa mãe, mas se depender da minha vontade, serei a melhor do mundo. Não sei como vou lidar com você extamente, mas minhas intenções serão sempre as melhores possíveis. Você ainda nem nasceu e eu já sei o medo que as mães sentem pelos seus filhos: tenho um medo incrível que algo aconteça a você! Sei que Deus não vai permitir que nada de ruim nos aconteça, afinal, estamos entregues nas mãos dEle. E Ele vai trazê-lo saudável, e seremos uma família tão feliz que Deus ficará contente e permitirá que você tenha irmãos. A cada dia seremos mais felizes.

Não sei se seu pai escreverá algo, mas não fique triste se ele não escrever. Ele está tão feliz quanto eu, se duvidar, até mais. Você é a realização de um sonho dele também. Temos muitos planos para você, o seu quarto, sua formação escolar, roupas, brinquedos, tudo enfim… Perdemos (quer dizer, ganhamos) nossas horas imaginando o quanto seremos felizes. Nossas maiores preocupações giram em torno da sua felicidade. Acho que é normal nos preocuparmos se saberemos te educar e cuidar de você de um jeito que sua vida inteira seja um verão interminável. Se depender da nossa boa vontade, você será a pessoa mais segura e mais feliz do mundo.

Seu pai acha que vocês virão em dupla, de uma vez só! Espeo que tenhamos competência (em amplos sentidos) para isso.

Essa é apenas a primeira, de uma série de cartas que pretendo lhe escrever. Para que um dia leia, e tente ter a noção do quanto te amo, do quanto te desejei, e que todos os meus esforços daqui pra frente serão tão somente para te fazer a pessoa mais feliz do mundo.

Obrigado por você já existir!

E essa vai ser a melhor assinatura da minha vida:

com muito amor,

mamãe.”